Mapa Das Artes http://www.mapadasartes.com.br Mapa Das Artes - O portal de arte brasileiro pt-br Mapa Das Artes http://www.mapadasartes.com.br/img/cid1.gif http://www.mapadasartes.com.br 217 33 Morre o artista polonês Frans Krajcberg aos 96 anos http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13069&ncid=1000&pg=0 Morre o artista plástico polonês Frans Krajcberg, aos 96 anos, no Hospital Samaritano, em Botafogo, Zona Sul do Rio de Janeiro. A causa da morte não foi divulgada. Seu corpo foi cremado nesta quinta-feira (16/11) e suas cinzas serão enviadas para o sul da Bahia, para o Sítio Natura, em Nova Viçosa onde o artista plástico morava. Escultor, pintor, gravador e fotógrafo, Krajcberg estudou engenharia na Universidade de Leningrado. Na Segunda Guerra Mundial, perdeu toda sua família no Holocausto e se mudou para Alemanha, onde foi aluno da Academia de Belas Artes de Stuttgart. Em 1948 chegou ao Brasil e morou no Paraná e no Rio, onde passou a dividir um ateliê com o escultor Franz Weissmann (1911-2005), a partir de 1956. Na década de 1970, escolheu a Bahia para morar. Engajado ao longo de toda a carreira, ele denunciou os crimes ambientais no país, as devastações das florestas brasileiras, queimadas, exploração de minérios e o desmatamento da Amazônia. Krajcberg ficou conhecido por suas esculturas feitas de troncos de árvores e raízes queimadas por incêndios destrutivos. “Há, evidentemente, no meu trabalho reminiscências culturais, reminiscências de guerra, que emergem do meu subconsciente”, disse o artista. Mapa das Artes divulga selecionados do 9º Salão dos Artistas Sem Galeria http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13068&ncid=1000&pg=0 A 9ª edição do Salão dos Artistas Sem Galeria, promovido pelo impresso e pelo portal Mapa das Artes (www.mapadasartes.com.br), divulgou os nomes dos dez artistas selecionados. São eles: Angela od (RJ), Caio Pacela (SP/RJ), Renata Pelegrini (SP), Mercedes Lachmann (RJ), João GG (RS/SP), João Galera (PR/SP), David Almeida (DF/SP), Élcio Miazaki (SP), Sonia Dias (SP) e Yoko Nishio (RJ). Os artistas foram escolhidos pelo júri formado por Fernanda Resstom (Galeria Central), Nathalia Lavigne (curadora independente) e Renata Castro e Silva (Galeria Carbono). Os dez artistas participação de duas mostras coletivas simultâneas em São Paulo, nas galerias Sancovsky e Zipper, entre 15/1 e 24/2; e na Orlando Lemos Galeria de Arte, em Nova Lima (MG), entre 10/3 e 20/4/18. Ao final das mostras em São Paulo, um dos artistas receberá um prêmio de R$ 1.000,00. Residência Kaaysá premia duas artistas presentes na feira Parte http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13066&ncid=1000&pg=0 As artistas plásticas Silvia Carvalho (representada pela Galeria Myrine Vlavianos, de Florianópolis) e Luciana Magno (representada pela Galeria Sem Título, de Fortaleza) foram as vencedoras da bolsa-residência oferecida pela recém inaugurada Kaaysá Art Residency, de São Sebastião (São Paulo). As bolsas foram concedidas durante a feira Parte, que encerrou neste domingo, 12/11.Com duração de quatro semanas, a residência dá direito a hospedagem e a toda a programação e atividades da residência Kaaysá. Tais benefícios equivalem a cerca de R$ 7.000, segundo os organizadores do programa. As inscrições devem ser feitas pelos artistas no site www.kaaysa.com.br, até 06/11/17. Cada artista pode ser inscrito uma única vez e não há limite de inscrições por galeria. O vencedor da bolsa será escolhido dentre os primeiros 35 inscritos e anunciados em 11/11/17. Kaaysá é uma residência temporária na praia de Boiçucanga, para artistas e criadores que desejam desenvolver suas poéticas à partir do contato íntimo com a Mata Atlântica brasileira, o mar e uma comunidade de pescadores, caiçaras e indígenas que habitam seu entorno. www.kaaysa.com.br Tamar Guimarães, Clarissa Tossin, Clara Ianni e outras brasileiras no exterior http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13065&ncid=1000&pg=0 Ana Maria Tavares, André Komatsu, Anna Maria Maiolino, Antonio Dias, Artur Barrio, Carmela Gross, Cildo Meireles, Detanico & Lain, Emmanuel Nassar, Hélio Oiticica, Iran do Espírito Santo, Jac Leirner, Leonor Antunes, Letícia Ramos, Lydia Okumura, Marepe, Mauro Restiffe, Nelson Felix, Nicolás Robbio, Paulo Nazareth, Rosângela Rennó, Tamar Guimarães, Tunga e Waltercio Caldas participam da mostra coletiva “Potência e Adversidade: Arte da América Latina nas Coleções em Portugal”, uma curadoria da luso-brasileira Marta Mestre em cartaz no Pavilhão Branco e Pavilhão Preto, em Lisboa, entre 12/11/2017 e 7/1/2018. | A mineira Marilá Dardot (Galeria Vermelho) participa da mostra “Tensão & Conflito. Arte em Vídeo Após 2008”, em cartaz no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), em Lisboa, entre 13/9 e 13/3/2018. Dardot participa ainda da coletiva “Everyday Poetics” no Seattle Art Museum, em Seattle (EUA), entre 18/11 e 17/6/2018. | O paulistano Lucas Simões (Casa Triângulo) participa da mostra coletiva “A Thousand Roaring Beasts: Display Devices for a Critical Modernity”, no Centro Andaluz de Arte Contemporáneo, em Sevilha, na Espanha, até 4/3/2018. Obras de Simões também estão na coletiva “Politics of Dreams”, na Fondation Hippocrène, em Paris, entre 12/10 e 16/12/17. | Sandra Cinto (Casa Triângulo) realiza mostra individual no CAC (Contemporary Arts Center), em Cincinnati (EUA), entre 8/10 e 24/7/2018. | Rommulo Vieira da Conceição (Casa Triângulo) tem obras na mostra “Axé Bahia: The Power of Art in an Afro-Brazilian Metropolis”, com curadoria de Patrick A. Polk, no Fowler Museum da Universidade da Califórnia, em Los Angeles (EUA), entre 24/9 e 15/4/2018. | Felipe Seixas, Nicolas Róbbio e Regina Silveira são os artistas brasileiros selecionados na grande mostra coletiva “Hágase la Luz”, que a Fundação Art Nexus realiza em Bogotá, na Colômbia, entre 28/10 e 25/11. A mostra apresenta ainda obras de Adriana Duque, Adriana Marmorek, Adriana Salazar, Alfredo Jaar, Álvaro Barrios, Ana Adarve, Ariel Orozco, Augusto Ballardo, Benjamín Ossa, Camilo Matiz, Christian Wloch, Glenda León, Gonzalo Fuenmayor, Graciela Sacco, Horacio Zabala, Ícaro Zorbar, Iván Navarro, Jessica Mitrani, José Antonio Hernández-Díez, Juan Mejía, Karina Peisajovich, Lina Espinosa, Leo Castañeda, Manuel Calderón, Mariana Villafañe, Monika Bravo, Pablo Posada, Paula Rivas, Rubén Volovitz, Simón Uribe, Teresa Serrano, Tomás Espina e Voluspa Jarpa. | A 14ª Bienal de Yogyakarta (Jogja Biennale Equator 2017), na Indonésia, recebe obras dos artistas brasileiros Cinthia Marcelle & Thiago Mata Macahdo, Clara Ianni, Daniel Lie, Deyson Gilbert, Ícaro Lira, Jonathas Andrade, Letícia Ramos, Lourival Cuquinha, Rodrigo Braga, Virginia de Medeiros, Waleria Americo e Yuri Firmeza. Esta é a sua 4ª edição em que o evento realiza intercâmbio de países na região equatorial do mundo e o escolhido foi o Brasil. Para esta edição, os artistas Daniel Lie, Rodrigo Braga, Yuri Firmeza e Lourival Cuquinha realizaram uma residência no país de dois meses. A bienal fica em cartaz até 10/12. | O artista mineiro Paulo Nazareth (Mendes Wood DM) está com obras no exterior na mostra coletiva “Field Guide”, no Remai Modern, em Saskatoon, no Canadá até 25/2/18. Ao lado de Runo Lagomarsino, tem obras na mostra “Prospect 4: The Lotus in Spit of the Swamp”, no Nasher Museum of Art, na Duke University, em Nova Orleans (EUA), entre 18/11/17 e 25/2/18. | Paulo Nimer Pjota (Mendes Wood DM) participa da mostra coletiva “Forever Never Comes - Metabolismo del Tempo”, no Museo Archeologico e d'Arte della Maremma, em Grosseto, na Itália, até 26/1/2018. Pjota participa também da mostra “Painting or Not”, no The Kaviar factory, em Lofoten, na Noruega, até 1/1/2018. | A artista mineira Solange Pessoa ((Mendes Wood DM) participa do projeto “KölnSkulptur #9”, na cidade alemão de Köln, até 10/7/2019. | A artista carioca Anna Bella Geiger participa de três mostras coletivas no exterior. No espaço La Casa Endendida, em Madri, está na mostra “Geografia Física y Humana” (até7/1/2018). Na Tate Modern, em Londres, está na mostra “A View From Buenos Aires”. Também tem obras nos EUA, na mostra "Radical Women: Latin American Art, 1960-1985", no Hammer Museum, em Los Angeles. A mostra apresenta cerca de 260 obras (fotografias, vídeos, técnicas mistas e experimentações) produzidas por mais de cem artistas de 15 países. Entre as selecionadas estão ainda Iole de Freitas, Vera Chaves Barcellos, Neide Sá, Claudia Andujar, Carmela Gross, Martha Araújo, Regina Vater, Ana Vitória Mussi, Lygia Clark, Anna Bella Geiger, Leticia Parente, Regina Silveira, Anna Maria Maiolino, Lygia Pape, Ana Mendieta, Liliana Porter, Marta Minujín, Zilia Sánchez e Feliza Bursztyn, A mostra acontece no Hammer Museum, em Los Angeles, entre 15/9 e 31/12, e depois segue para o Brooklyn Museum, em Nova York, entre 13/4 e 29/7/2018. | Waldemar Cordeiro, (Luciana Brito Galeria de Arte) tem obras selecionadas na mostra “Thinking Machines: Art and Design in the Computer Age”, no MoMA de Nova York entre 13/11/2017 e 8/4/2018. | O artista mineiro Éder Santos (Luciana Brito Galeria de Arte) participa da mostra “Hunger for the Absolute: Land in Anguish at 50”, na Tate Modern, em Londres, a partir de 9/11. | Geraldo de Barros (Luciana Brito Galeria de Arte) tem obras na mostra “A Tale of Two Wprlds”, no Museum für Moderne Kunst, em Frankfurt, na Alemanha, entre 25/11 e 2/4/2018. | O artista plástico paulistano Eli Sudbrak (Casa Triângulo e Dotart) inaugura sua primeira mostra individual no MATE (Museu Mario Testino), em Lima, no Peru, em 27/10. as obras que estarão no pátio externo do museu revelam os desenvolvimentos mais recentes em sua prática artística. Como em projetos anteriores, o título da exposição: “Abstracto Viajero Andinos Fetichizados” é uma derivação da sigla do pseudônimo do artista: avaf. A mostra vai até 1/4/2018. | O carioca José Damasceno (Galeria Millan) está na coletiva “Turbulências”, no Torreão Nascente da Cordoaria Nacional, em Lisboa, até 3/12. | Henrique Oliveira (Galeria Millan) tem obras na mostra coletiva “From the Cavern to the Moon”, no Centro Pecci, em Prato, na Itália, até 18/01/2018. | Artur Barrio (Galeria Millan) participa da mostra coletiva “Delirious - Art at the Limit of Reason”, no Metropolitan Museum, em Nova York, até 14/1/2018. Também está na mostra “Memories of Underdevelopment”, no Museum of Contemporary Art of San Diego, na Califórnia, até 21;01/2018. Junto com obras de Nelson Félix e de Tunga, Barrio se apresenta na mostra “Potência e Adversidade - Arte da América Latina nas Coleções em Portugal”, no Pavilhão Branco e Pavilhão Preto, em Lisboa, entre 12/11/2017 e 7/1/2018. Ao lado de Lenora de Barros, Barrio participa da mostra “A Tale of Two Worlds. Experimental Latin American Art in Dialogue with the MMK Collection 1940s-1980s”, no MMK - Museum of Modern Art, em Frankfurt, na Alemanha, entre 25/11 e 2/4/2018. | Cinthia Marcelle (Galeria Vermelho) participa da mostra coletiva “Lección de Arte”, no Museo Thyssen-Bornemisza, em Madri (Espanha), entre 7/11 e 28/1/2018. | Clara Ianni (Galeria Vermelho) tem obras na mostra “Gotong Royong: Things We Do Together”, no Centre for Contemporary Art at Ujazdowski Castle, em Varsóvia, na Polônia, entre 19/10 e 4/1/2018. | O artista plástico pernambucano Paulo Bruscky (Galeria Nara Roesler) participa do projeto “L’Oeil Écoute”, no Centro Georges Pompidou, em Paris, que propõe reflexões sobre a arte moderna a partir do diálogo entre obras do acervo permanente e de artistas convidados. Nesta edição, o projeto explora as relações entre arte, música e poesia, traçando um paralelo entre as produções de artistas como Picasso e Brancusi e a música de Erik Satie e os Balés Russos. Nas áreas dedicadas a Bruscky, serão exibidos trabalhos fundamentais de poesia visual e sonora, arte correio e performance desenvolvidos ao longo de sua carreira. Obras como Poema Processo, de 1970 e Silence - Homage to John Cage, de 1993, dividem ainda o espaço com trabalhos raros de Vicente do Rego Monteiro (de 18/10 a 9/4/2018). | A dupla Gisela Motta e Leandro Lima (Galeria Vermelho) realizam a mostra “synchroniCITIES: SP-BXL” na Embaixada do Brasil em Bruxelas, na Bélgica, entre 25/10 3 23/11. | Marcelo Cidade (Galeria Vermelho) participa da mostra “Monumento, Anti-Monumentos y Nueva Escultura Pública” no Museu Universitário el Chopo, na Cidade do México, entre 25/10 e 7/1/2018. | O fotógrafo paulistano Caio Reisewitz participa da mostra “Library of Love” no Cincinatti Contemporary Arts Center, em Ohio (EUA) até 5/8/2018. | Cinthia Marcelle e Tiago Mata Machado participam da 5ª Biennale de Lubumbashi (“Rencontres Picha”), no Musée National de Lubumbashi, no Congo, entre 7/10 e 15/4/2018. | A artista paulistana Lucia Koch (Galeria Vermelho) participa da mostra “Learning From Latin America: Art Architecture and Visions of Modernism”, na Los Angeles Municipal Art Gallery, entre 10/9 e 27/1/2018. | “José Leonilson: Empty Man”, em cartaz na Americas Society, em Nova York, até 3/2/2018, é a primeira mostra retrospectiva do artista cearense, ícone da produção brasileira de arte contemporânea a partir dos anos 80 e que morreu em 1993, vitimado pela Aids. A mostra exibe cerca de 50 pinturas, desenhos e bordados. A mostra tem curadoria de Cecilia Brunson, Gabriela Rangel e Susanna V. Temkin. O catálogo desenhado por Garrick Gott traz textos dos curadores e também de Jenni Sorkin (University of California at Santa Barbara), Luis Enrique Pérez Oramas (curador independente) e Yuji Kawasima (Universidad Complutense de Madrid). | A artista mineira Mabe Bethônico participa da 9ª Bienal de Arte Contemporânea de Ottignies-Louvain-la-Neuve, na França, até 10/12/2017. | A dupla Detanico Lain participa da mostra “Flatland / Abstractions Narratives #2”, no Mudan, em Luxemburgo, entre 7/10 e 15/4/2018. Também está presente na mostra “Manipulate the World”, no Moderna Museet, em Estocolmo, na Suécia, entre 21/10 e 21/1/2018. | Paulo Bruscky, Mario Ramiro, Hudinilson Jr., Gabriel Borba, Mário Ishikawa e Letícia Parente participam da mostra “Xerografia: Copyart in Brazil, 1970–1990”, que acontece na Robert and Karen Hoehn Family Galleries, na Universidade de San Diego, na Califórnia, entre 15/9 e 16/12/17. Curadoria de Erin Aldana. A mostra faz parte do projeto “Pacific Standard Time: LA/LA”, uma iniciativa da Getty Foundation de Los Angeles, que reúne diversas instituições artísticas do sul da Califórnia sob um único tema: explorar o diálogo entre a cidade de Los Angeles (e arredores) e a arte latino-americana. | O mineiro Cao Guimarães (Galeria Nara Roesler) participa da coletiva “Jaguar and Electric Eels”, na Julia Sroschek Collection, em Berlim, na Alemanha, entre 4/2 e 26/11; da mostra “Eye”, em Amsterdã, na Holanda, entre 16/9 e 3/12. | Tamar Guimarães, Carla Zaccagnini e Runo Lagomarsino apresentam obras na mostra coletiva “A Universal History of Infamy”, no Los Angeles County Museum of Art (LACMA), e no 18th Street Arts Center, ambos em Los Angeles (EUA), entre 20/8 e 18/2/2018. Zaccagnini A artista paulistana terá ainda obras expostas no MAK Center for Art and Architecture, entre 9/9 e 14/1/2018, e na mostra “How to Read El Pato Pascual: Disney’s Latin America and Latin America’s Disney”, na Schindler House, em West Hollywood, entre 9/9 e 14/1/2018. As mostras fazem parte do projeto “Pacific Standard Time: LA/LA”, uma iniciativa da Getty Foundation de Los Angeles, que reúne diversas instituições artísticas do sul da Califórnia sob um único tema: explorar o diálogo entre a cidade de Los Angeles (e arredores) e a arte latino-americana. | Rafael Assef, Dora Longo Bahia, Rodrigo Braga, Lia Chaia, Carmela Gross, Cinthia Marcelle, Odires Mlászlo, Marcelo Moscheta, Rosangela Rennó e Ana Maria Tavares (Galeria Vermelho), Caio Reisewitz, Regina Silveira, Rochelle Costi (Luciana Brito Galeria), Laura Lima, Marcius Galan, Marepe, Cildo Meireles, Pedro Motta (Luisa Strina), Albano Afonso, Nazareth Pacheco e Sandra Cinto (Casa Triângulo), Felipe Cohen, Lenora de Barros, José Damsceno, Tunga (Galeria Millan) e Keila Alaver participam da mostra “Past/Future/Present: Contemporary Brazilian Art from the Museum of Modern Art”, no Phoenix Museum, em Arizona (EUA), entre 1/9 e 31/12/17. Curadoria de Vanessa K. Davidson e Cauê Alves A exposição será a primeira grande apresentação de obras da coleção do Museu de Arte Moderna, São Paulo (MAM-SP), nos EUA. | Eduardo Abaroa, Jonathas de Andrade, Leonor Antunes, Alexander Apóstol, Alexandre Arrechea, Ramiro Chaves, Felipe Dulzaides, Carlos Garaicoa, Terence Gower, Tamar Guimarães, Lucia Koch, Runo Lagomarsino, Renata Lucas, Lais Myrrha, Manuel Piña, Mauro Restiffe, Beto Shwafaty, Melanie Smith, Tercerunquinto, Clarissa Tossin e Héctor Zamora participam da mostra “Condemned To Be Modern” no LAMAG (Los Angeles Municipal Art Gallery). A mostra tem curadoria de Clara Kim (que é uma das senior curators da Tate) e acontece entre 10/9 e 28/1/2018. A mostra faz parte do projeto “Pacific Standard Time: LA/LA”, uma iniciativa da Getty Foundation de Los Angeles, que reúne diversas instituições artísticas do sul da Califórnia sob um único tema: explorar o diálogo entre a cidade de Los Angeles (e arredores) e a arte latino-americana. http://www.lamag.org/ | Alice Miceli (Galeria Nara Roesler) participa da mostra coletiva “The Materiality of the Invisible”, na Jan van Eyck Academie, em Maastricht, na Holanda, entre 30/8 e 26/11. | Mauro Restiffe (Fortes D’Aloia & Gabriel) participa da coletiva “Doubles, Dobros, Pliegues, Pares, Twins, Mitades”, que acontece na The Warehouse, em Dallas, nos EUA, entre 10/7 e 29/12/17. | Tamar Guimarães participa no LACMA (Los Angeles County Museum of Art) da mostra “A Universal History of Infamy”, em que apresenta um novo vídeo. A mostra segue até fevereiro de 2018. http://www.lacma.org/art/exhibition/universal-history-infamy | Clara Ianni e Debora Maria da Silva participam da mostra “Talking to Action: Art Pedagogy, and Activism in the AmericasVirtues of Disparity”, que acontece na Ben Maltz Gallery at Otis College of Art and Design, em Los Angeles, entre 17/9 e 10/12. A mostra faz parte do projeto “Pacific Standard Time: LA/LA”, uma iniciativa da Getty Foundation de Los Angeles, que reúne diversas instituições artísticas do sul da Califórnia sob um único tema: explorar o diálogo entre a cidade de Los Angeles (e arredores) e a arte latino-americana. | Gisela Motta & Leandro Lima, Claudia Andujar, Cinthia Marcelle, Cao Guimarães e Berna Reale participam da mostra “Video Art in Latin America”, no LA><ART, em Los Angeles, entre 16/9 e 16/12/17. Curadoria de Glenn Phillips e Elena Shtromberg. A mostra faz parte do projeto “Pacific Standard Time: LA/LA”, uma iniciativa da Getty Foundation de Los Angeles, que reúne diversas instituições artísticas do sul da Califórnia sob um único tema: explorar o diálogo entre a cidade de Los Angeles (e arredores) e a arte latino-americana. | Lygia Pape, Hélio Oiticica, Antonio Dias, Cildo Meireles, Regina Silveira e Thomas Farkas participam da mostra coletiva “Memories of Underdevelopment”, que acontece no Museum of Contemporary Art, em San Diego, entre 17/9 e 21/1/2018. A mostra faz parte do projeto “Pacific Standard Time: LA/LA”, uma iniciativa da Getty Foundation de Los Angeles, que reúne diversas instituições artísticas do sul da Califórnia sob um único tema: explorar o diálogo entre a cidade de Los Angeles (e arredores) e a arte latino-americana. | Abraham Palatnik (Galeria Nara Roesler) tem obras na mostra “Kinesthesia: Latin American Kinetic Art, 1954–1969”, no Palm Springs Art Museum, na California, entre 26/8 e 15/1/2018. Curadoria de Dan Cameron. Palatnik terá obras ainda na mostra coletiva “On the Affective Nature of Form”, no museu Reina Sofia, em Madri, até 16/10; e na mostra “Delirious: Art at the Limits of Reason, 1950-1980”, no Met Breuer, em Nova York, entre 13/9 e 14/1/2018. | Clarissa Tossin (Galeria Luisa Strina) participa da coletiva “Baggage Claims”, coletiva com curadoria de Ginger Duggan e Judy Fox em cartaz no Orlando Museum of Art (Orlando, EUA), entre 15/9 e 31/12/17. Tossin tem obtras ainda na mostra “Mundos Alternos Art and Science Fiction in the Americas”, coletiva com curadoria de Tyler Stallings, Joanna Szupinska-Myers e Robb Hernández no California Museum of Photography (Riverside, EUA), entre 16/9 e 4/2/18. Nesta última participam ainda ADÁL , AZTLAN Dance Company , Guillermo Bert , Erica Bohm , Tania Candiani , Beatriz Cortez , Claudio Dicochea, Faivovich & Goldberg, Sofía Gallisá Muriente , Guillermo Gómez-Peña / La Pocha Nostra , La Gravedad de los Asuntos, Hector Hernandez, Gyula Kosice, LA VATOCOSMICO c-s, Robert “Cyclona” Legorreta, Chico MacMurtrie / Amorphic Robot Works, Marion Martinez, MASA—MeChicano Alliance of Space Artists, Jillian Mayer, Mundo Meza, Irvin Morazán, Glexis Novoa, Rubén Ortiz Torres, Rigo 23, Alex Rivera, Carmelita Tropicana, Luis Valderas, Ricardo Valverde, José Luis Vargas e Simón Vega. | A artista amazonense Rodrigo Braga (Galeria Vermelho) participa da coletiva “Visions of Nature” no museu Kunst Haus Wuien, em Viena (Áustria), entre 13/9 e 18/2/2018. | “Carmela Gross: The Photographer” é mostra individual no Kunsthalle Bratislava, na Eslováquia, entre 14/09 e 26/11. A artista participa ainda da mostra “On Anam. Where are We Going?”, no Es Baluard Museu d'Art Modern i Contemporani, em Palma de Mallorca, na Espanha, entre 10/11 e 1/3//2018. | Mostra “Trazas Simultáneas” apresenta criações de Claudia Andujar, Gisela Motta e Leandro Lima, Fabio Morais e Rosângela Rennó no Espacio Cultural de la Embajada del Brasil, em Buenos Aires, entre 6/9 e 15/12. | Marcelo Cidade (Galeria Vermelho) participa da mostra “Sonic Rebellion: Music as Resistance” no Museum of Contemporary Art Detroit (MOCAD), em Detroit, no EUA, entre 8/9 e 7/1/2018. | O Museum of Contemporary Art de Los Angeles (moca.org) realiza entre 16/9 e 31/12 a maior retrospectiva da artista plástica ítalo-brasileira Anna Maria Maiolino já realizada fora do Brasil. Serão apresentadas pinturas, desenhos, esculturas, vídeos, performances e instalações realizadas desde os anos 60, que trabalham com questões intimistas, mas também artísticas e políticas. A curadoria é de Bryan Barcena e Helen Molesworth. | Ernesto Neto, Rivane Neuenschwander e Daniel Steegmann Mangrané participam da 14ª Biennale de Lyon, na França, entre 20/9 e 7/1/2018. Mangrané participa ainda da mostra “Uma Folha Translúcida no Lugar da Boca”, entre 30/9 e 7/1/2018, no Museu de Arte Contemporânea de Serralves, na cidade do Porto, em Portugal. | O artista Ivan Grilo (Casa Triângulo e Luciana Caravello Galeria) participa na primeira Bienal de Arte Contemporânea na América do Sul - Bienalsur, na cidade de Buenos Aires, entre setembro e dezembro de 2017. A mostra tem lugar em 32 cidades, em 16 países, reunindo artistas que atuam em diferentes formatos, desde imagens pictóricas tradicionais até instalações, através de documentários, com a particularidade de interconectar os 84 espaços dedicados a exposições em todo o mundo. No dia 10/9, Ivan Grilo inaugura a exposição “La Mirada del Abrazo”, no CCMHC – Centro Cultural de la Memoria Haroldo Conti. | Anna Maria Maiolino, Cildo Meireles e Lygia Pape participam da 14ª Bienal de Lyon, na França, cujo tema é “Mondes Flotantes” (Mundos Flutuantes. A mostra tem curadoria de Thierry Raspail e Emma Lavigne e acontece no L’Institut d’Art Contemporain entre 20/9 e 7/1/2018. | A obra "Poema" (1979), da artista paulistana Lenora de Barros (Galeria Millan), ilustra a capa do catálogo da mostra "Radical Women: Latin American Art, 1960-1985" e também a fachada principal do Hammer Museum, em Los Angeles. A mostra apresenta cerca de 260 obras (fotografias, vídeos, técnicas mistas e experimentações) produzidas por mais de cem artistas de 15 países. Entre as selecionadas estão ainda Iole de Freitas, Vera Chaves Barcellos, Neide Sá, Claudia Andujar, Carmela Gross, Martha Araújo, Regina Vater, Ana Vitória Mussi, Lygia Clark, Anna Bella Geiger, Leticia Parente, Regina Silveira, Anna Maria Maiolino, Lygia Pape, Ana Mendieta, Liliana Porter, Marta Minujín, Zilia Sánchez e Feliza Bursztyn, A mostra acontece no Hammer Museum, em Los Angeles, entre 15/9 e 31/12, e depois segue para o Brooklyn Museum, em Nova York, entre 13/4 e 29/7/2018. A mostra faz parte do projeto “Pacific Standard Time: LA/LA”, uma iniciativa da Getty Foundation de Los Angeles, que reúne diversas instituições artísticas do sul da Califórnia sob um único tema: explorar o diálogo entre a cidade de Los Angeles (e arredores) e a arte latino-americana. | Berna Reale (Nara Roesler), Cao Guimarães (Nara Roesler), Rivane Neuenschwander (Fortes D’Aloia & Gabriel), Maria Laet (A Gentil Carioca) e Regina Silveira (Luciana Brito) participam da mostra “Video Art in Latin America”, no Laxart, em Los Angeles (EUA), entre 16/9 a 16/12/17. A mostra faz parte do projeto “Pacific Standard Time: LA/LA”, uma iniciativa da Getty Foundation de Los Angeles, que reúne diversas instituições artísticas do sul da Califórnia sob um único tema: explorar o diálogo entre a cidade de Los Angeles (e arredores) e a arte latino-americana. A mostra tem curadoria de Glenn Phillips e Elena Shtromberge e busca examinar as realizações inovadoras e as tendências existentes na videoarte latino-americana desde a década de 1960 até hoje | O artista carioca Ricardo Basbaum (A Gentil Carioca e Galeria Jaqueline Martins) figura na mostra coletiva “We Are Here - I Am You”, curadoria de José Esparza Chong Cuy, em cartaz no MCA - Museum of Contemporary Art Chicago, nos EUA, entre 19/8 e 1/4/2018. | O grupo performático e multimídia carioca Opavivará foi selecionado para a mostra coletiva “Continua Sphéres Ensemble”, direção artística de José Manuel Gonçalves no 104 Cent Quatre Paris, na capital francesa, entre 16/9 e 19/11. A turnê mundial do grupo carioca prossegue ainda pela Alemanha, na mostra “Duet With Artists”, curadoria de Stefanie Kreuzer no Belvedere Museum (Viena, Áustria, de 27/9 a 4/2/2018; belvedere.at/). | Laura Lima (Galeria Luisa Strina e A Gentil Carioca) está na mostra coletiva “Past/Future/Present: Contemporary Brazilian Art from the Museum of Modern Art, São Paulo”, uma curadoria de Vanessa K. Davidson e Cauê Alves no Phoenix Art Museum, nos EUA, entre 1/9 e 31/12. phxart.org. Também figura na coletiva “Illusion and Revelation”, curadora de Ernst Caramelle no Bonnefanten Museum, em Maastricht, na Holanda, até 27/11. www.bonnefanten.nl. | A artista carioca Rosana Palazyan participa da primeira edição da mostra Standart - Triennial of Contemporary Art, na Armenia. A mostra “The Mount Analogue” tem conceito e curadoria de Adelina Cüberyan von Fürstenberg e assistência do curador Ruben Arevshatyan e acontece entre 20/7 e 31/12/17 nas cidades de Yerevan, Gyumri, Sevan e Kapan. O nome da Trienal é inspirado pela revista armênia de vanguarda Standard, publicada em 1924, a revista destaca o rico contexto cultural e histórico da Armênia e, por meio de seu caráter itinerante, envolve comunidades diversas e cria oportunidades de diálogo e relações entre artistas, escritores, curadores, cientistas, comunidades locais e visitantes. A curadora Adelina Cüberyan von Fürstenberg foi premiada com o Leão de Ouro para o Pavilhão Nacional da Armênia na 56ª Bienal de Veneza, em 2015. Inspirada no romance inacabado “The Mount Analogue”, do escritor surrealista francês René Daumal (1908-1944), “Standart” será realizada em espaços históricos e culturais, em toda a região do Monte Ararat. www.standart-armeniatriennale.net | A artista mineira Valeska Soares (Fortes D’Aloia & Gabriel) ganha retrospectiva no Santa Barbara Museum of Art. A mostra apresenta cerca de 50 trabalhos (instalações, esculturas, fotografias e vídeos) que datam do início da década de 1990 até o presente. A exposição abre em 17/9 e prossegue até 31/12/17. “Any Moment Now" é a maior exposição da carreira da artista e, depois de Santa Bárbara, vai itinerar para o Phoenix Art Museum em 2018. A mostra faz parte do projeto “Pacific Standard Time: LA/LA”, uma iniciativa da Getty Foundation de Los Angeles, que reúne diversas instituições artísticas do sul da Califórnia sob um único tema: explorar o diálogo entre a cidade de Los Angeles (e arredores) e a arte latino-americana.Valeska Soares (Fortes D’Aloia & Gabriel) participa da mostra “The Half-Life of Love”, no MASS MoCA, em North Adams, também nos EUA, até 1/1/2018. | Janaína Tschape (Fortes D’Aloia & Gabriel) participa da mostra coletiva “Tidalectics”, no espaço TBA21–Augarten, em Viena (Áustriua), até 19/11/17. || O artista plástico Eduardo Kac, representado pela galeria carioca Luciana Caravello, se prepara para uma série de exposições em 2017. Sua mais recente produção, a série “Inner Telescope”, participa em Seoul, na Coréia do Sul, no evento Da Vinci Creative 2017, no Seoul Art Space Geumcheon (de 1/9 a 30/12). A obra “Inner Telescope” já ganhou uma página inteira no jornal “New York Times” e destaque em veículos como “ArtPress”, “Beaux Arts”, “Le Figaro”, “Huffington Post”, “La Nación” e “Connaissance des Arts”. Os trabalhos de Kac realizados em xerox e fax, no início da década de 80, terão espaço no Pacific Standard Time Festival da Getty Foundation e serão exibidos na mostra “Copyart: Experimental Printmaking 1970-1990”, na Hoehn Family Galleries (Universidade de San Diego, entre 1/9 e 30/12). | A artista Regina Silveira (Galeria Luciana Brito) participa da mostra “Bienal Sur”, no Parque de la Memoria, em Buenos Aires (Argentina), Regina Silveira apresenta para a primeira edição da Bienal Sur, além de projeções do vídeo “Limiar”, versões exclusivas da obra “Touch” em três cidades argentinas. A artista participa ainda da mostra “Future Shock, Site Santa Fé”, nos EUA, entre 7/10 e 1/5/2018. | O artista alagoano-pernambucano Jonathas de Andrade (Galeria Vermelho) está na mostra coletiva “Atopia” no MAC de Lima, no Peru, entre 15/8 e 26/11. Também participa de uma série de mostras mundo afora, a saber: mostra “I Am You”, no Museum of Contemporary Art Chicago, nos EUA, entre 19/8 e 1/4/2018; Contemporary Art Festival Survival Kit 9, no Latvian Centre for Contemporary Art, na cidade de Riga, na Letônia, entre 7/9 e 1/10; “Visões do Nordeste”, no Museo Jumex, na Cidade do México, entre 3/10 e 12/11/17; mostra “La Vie Simple - Simplement La Vie”, na Fondation Vincent van Gogh Arles, na França, entre 7/10 e 2/4/2018; “Prometeus Unbound”, na Neue Galerie Graz, na Áustria, entre 23/9 e 3/12/17; e, finalmente “Because We Are and We Aren’t Tropicalistas”, no Human Resources L.A., em Los Angeles, entre 8/11 e 19/11/17. | Obras de Hélio Oiticica (Galeria Nara Roesler), Geraldo de Barros e Waldemar Cordeiro (Luciana Brito Galeria) foram selecionadas para a mostra “Making Art Concrete: Works from Argentina and Brazil”, no, Getty Center, em Los Angeles, entre 16/9 e 11/2/2018. A mostra faz parte do projeto “Pacific Standard Time: LA/LA”, uma iniciativa da Getty Foundation de Los Angeles, que reúne diversas instituições artísticas do sul da Califórnia sob um único tema: explorar o diálogo entre a cidade de Los Angeles (e arredores) e a arte latino-americana. . Morre a artista Amélia Toledo aos 90 anos http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13061&ncid=1000&pg=0 Morre a artista plástica Amélia Toledo aos 90 anos noite desta terça-feira (07/11) em sua residência em São Paulo. Amélia morreu enquanto dormia. Ela deixa filhos e netos. O velório será realizado nesta quinta-feira (09/11) das 8h às 14h no Cemitério Parque do Morumbi, em São Paulo. Nascida em São Paulo e ícone da contracultura brasileira, Toledo era escultora, pintora, desenhista e designer, e esteve entre artistas de sua geração, como Anita Malfatti, Waldemar da Costa e Vilanova Artigas; e nos anos 1960 inicia uma carreira de professora na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Mackenzie e na Fundação Armando Álvares Penteado (Faap) e também no Rio de Janeiro. Adepta do construtivismo faz sua obra se aproximar da arquitetura e realiza diversos trabalhos para espaços públicos, como o projeto cromático 1996/1998, para a estação Arcoverde do metrô do Rio. Desde a década de 1970, realizou produção baseada nas formas da natureza. O Centro Cultural Banco do Brasil em São Paulo sedia a mostra “Lembrei que Esqueci” que celebra os seus 60 anos de carreira, em cartaz 08/01/18 e curadoria de Marcus Lontra. Pinakotheke Cultural realiza programação infantil sobre obra de Oscar Niemeyer http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13058&ncid=2&pg= A Pinakotheke Cultural realiza aos sábados, das 11h às 13h, atividades gratuitas para crianças em seu jardim, em torno da exposição “Oscar Niemeyer – Territórios da Criação”, que fica em cartaz entre 09/11 e 16/12/17. Confira a programação: | 11/11 – Planejando cidades - Crie sua própria arquitetura com material reciclado; 18/11 – Lançamento do livro “Quando João ficou sem palavras”, de Ana Helena Rotta Soares e Ilustrações de Paula Delecave - Contação de histórias e oficina; 25/11 – Oficina de Retratos - Se inspire nos retratos realizados por grandes fotógrafos; 02/12 – Apresentação musical e jogos iogues - “As aventuras do menino Iogue” com Antonio Tigre; 09/12 – Cidades em linhas: O contorno das paisagens e arquiteturas de Niemeyer em linhas; 16/12 - Esculturas em fios: Desenhando no ar como Niemeyer. | Mais informações: Pinakotheke Cultural Rio de Janeiro Botafogo: r. São Clemente 300, tel.: (21) 2537-7566 – Rio de Janeiro – RJ Brasiliana Iconográfica reúne acervo de 2 mil obras de importantes coleções http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13051&ncid=1000&pg=0 O site Brasiliana Iconográfica (www.brasilianaiconografica.art.br) é o primeiro portal a reunir obras de arte digitalizadas de quatro das principais coleções brasilianas públicas e privadas, criado a partir da parceria firmada pela Biblioteca Nacional, Instituto Moreira Salles, Itaú Cultural e Pinacoteca de São Paulo, em 2016. Com cerca de 2 mil imagens, o portal disponibiliza também análises, conteúdos, informações e textos sobre obras fundamentais da iconografia brasileira, feitas desde a chegada dos europeus ao país no século XVI. Um recorte ligado à brasiliana, termo que diz respeito à cultura e história do Brasil, datado a partir desse século quando circulam os primeiros mapas e livros sobre a América Portuguesa, abrangendo também pinturas e estudos científicos sobre a natureza do país, difundidos ao longo do século XIX. A ideia é, no futuro, que o acervo possa ser incorporado por outras coleções e instituições, tanto do Brasil quanto do exterior. O conteúdo também disponibiliza acesso às imagens em alta definição de cada coleção, com recurso zoom para observar em detalhes, assim como informações sobre elas: origem, temas, histórias e ficha catalográfica. Os trabalhos de cada autor serão linkados diretamente à Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras.A iniciativa público-privada visa ampliar a democratização do acesso às coleções, aprofundar a transparência dos acervos, reafirmar a garantia das obras por meio do universo digital e aprimorar os processos de catalogação destes acervos históricos; que será periodicamente ampliado com novas imagens. A curadoria é de Valéria Piccoli, curadora-chefe da Pinacoteca de São Paulo, e textos da jornalista Laura Greenhalgh. A Biblioteca Nacional, o Instituto Moreira Salles, a Pinacoteca de São Paulo e o Itaú Cultural ficam por um período à frente da gestão do portal, governança que posteriormente pode ser assumida por novos integrantes ou parceiros, nacionais ou estrangeiros. | Mais informações: www.brasilianaiconografica.art.br 33ª Bienal de São Paulo divulga lista de curadores e tema http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13049&ncid=1000&pg=0 A 33ª Bienal de São Paulo divulga os nomes dos artistas que integram a equipe curatorial, a convite do curador-geral o espanhol Gabriel Pérez-Barreiro. Cada artista deve conceber uma exposição coletiva diferente, da qual participe a acontecer durante o evento previsto para começar em setembro de 2018. Simultaneamente às sete coletivas, a Bienal terá também exposições individuais, a cargo do curador-geral. A lista final dos artistas participantes será divulgada no primeiro semestre de 2018. Os artistas chamados são Waltercio Caldas (Rio de Janeiro, 1946), Claudia Fontes (Argentina, 1964, residente na Inglaterra), Mamma Andersson (Suécia, 1964), Wura-Natasha Ogunji (EUA, 1970, vive na Nigéria), Alejandro Cesarco (Uruguai, 1975, vive em Nova York), Antonio Ballester Moreno (Espanha, 1977) e Sofia Borges (Ribeirão Preto, 1984, vive em São Paulo). A ideia é que Waltercio faça uma reflexão histórica sobre a forma e a abstração; Fontes pesquisa relações entre arte e narrativa; Andersson elabora temas de figuração na tradição da pintura, da arte popular até a arte contemporânea; Ogunji reúne um grupo de artistas que compartilham questões sobre a identidade e a diáspora africana; Cesarco pesquisa artistas que trabalham sobre tradução e imagem; Moreno propõe diálogo de sua obra com referenciais que tratam da história da abstração e a relação com a natureza, a pedagogia e a espiritualidade; e Borges pesquisa a tragédia e a forma ambígua. A edição já tem o tema “Afinidades Afetivas”, inspirado nos títulos de Goethe (Afinidades Eletivas, de 1809) e de uma tese de Mário Pedrosa (Da Natureza Afetiva da Forma na Obra de Arte, de 1949). Outros nomes da equipe da Bienal são de Alvaro Razuk (arquitetura), Raul Loureiro (identidade visual), Lilian L’Abbate Kelian e Helena Freire Weffort (educativo) e Fabiana Werneck (editorial). Mostra 3M de Arte Digital chega à 7ª edição no Largo da Batata (SP) http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13024&ncid=1000&pg=0 A 7ª edição da Mostra 3M de Arte Digital ocorre entre 03/11/17 e 03/12/17 com ocupação de obras de diversos artistas numa galeria a céu aberto no alrgo da Batata, em Pinheiros (SP). A edição conta com a participação de Guto Lacaz, Giselle Beiguelman, Maurizio Zelada, Alexis Anastasiou e da dupla Gisela Motta e Leandro Lima que apresentaram trabalhos inéditos, que têm, em comum, aspectos interativos, emocionais, poéticos e de reflexão. O Largo da Batata foi escolhido porque é uma área revitalizada que integra o esforço da sociedade civil para transformar a cidade em um espaço de convívio e de ocupação do cidadão. O catálogo da exposição, com informações completas sobre as obras, artistas, e o programa pedagógico terão recursos interativos e poderão ser vistos no celular, por meio do aplicativo mostra 3m de arte digital, ou no site www.mostra3mdeartedigital.com.br ; assim como as redes sociais. | Art Supermarket – todos os dias das 8h às 20h (até 03/12); 03, 04 e 05 e 08 a 12/11, das 20h às 22h - Encontros com a cidade, humanos e batatas (video mapping); container.art – todos os dias das 8h às 20h (até 03/12); | Mais informações: Largo da Batata, bairro de Pinheiros - São Paulo/SP Horários de funcionamento: 24 horas, exceto nas instalações. Unibes Cultural promove curso sobre a Fotografia Moderna e German Lorca http://mapadasartes.com.br/curtas.php?id=13019&ncid=1&pg=0 A Unibes Cultural promove o a partir de 10/10/17 o Curso Fotografia Moderna Brasileira: German Lorca, ministrado pela Profa. Dra. Daniela Maura Ribeiro. O curso debate a obra do fotógrafo paulistano German Lorca nas diversas etapas de sua carreira, observando-se sua importância para a fotografia moderna brasileira. Entre os assunto estão a adolescência e seus retratos familiares com a primeira câmara fotográfica que teve (Kodak Bullet 127); o aprendizado e atuação no Foto Cine Clube Bandeirante (1948-1952), despontando como um dos pioneiros da fotografia moderna brasileira; as reportagens (como aquelas sobre o IV Centenário e sobre Nelson Rockefeller, além de álbuns de casamento) e a dedicação à fotografia publicitária, com foco na produção dos anos de 1960/70. E a fotografia autoral de Lorca, a partir dos anos 1990. | Datas: 10, 17, 24 e 31/10, das 15 às 17h – terças-feiras. Investimento: R$ 217,00 em até 3 vezes. | Mais infromações: Unibes Cultural Sumaré: r. Oscar Freire, 2.500, estação Sumaré do Metrô, tel. (11) 3065-4333. www.unibescultural.org.br Inhotim solta Nota de Esclarecimento http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2445&pg=0&ncid=1 Nota de esclarecimento sobre a posição da instituição em relação a condenação de prisão de Bernardo Paz, no site oficial do Instituto Inhotim, em 17/11/17. Quadro de Leonardo da Vinci bate recorde em leilão http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2444&pg=0&ncid=1 Salvator Mundi é um dos menos de 20 quadros de Leonardo existentes e o único em mãos privadas. A venda na Christie's de Nova York bateu o recorde de US$ 450,3 milhões (R$ 1,48 bilhão) num leilão nesta quarta-feira (15). Criador de Inhotim é condenado à prisão por lavagem de dinheiro http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2443&pg=0&ncid=1 O empresário mineiro Bernardo Paz, idealizador e principal nome de Inhotim, um dos maiores empreendimentos de arte contemporânea do país, foi condenado a nove anos e três meses de prisão em regime fechado pelo crime de lavagem de dinheiro. A decisão é de primeira instância e cabe recurso. Matéria de Marcos de Moura e Souza originalmente publicada no jornal “Valos Econômico”, em 16/11/17. (Nem) toda nudez será castigada http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2440&pg=0&ncid=1 Nem toda nudez, adulta ou infantil, envolve a prática de ato lascivo ou tem por fim a confecção de cena ou imagem sexual. Não apenas em culturas indígenas, como também em muitas práticas comuns no Brasil e em outros países, a nudez está desprovida de qualquer conteúdo lascivo. É o que ocorre, por exemplo, com o naturismo. Artigo de Deborah Duprat e Sergio Gardenghi Suiama publicado na seção "Tendências e Debates" do jornal "Folha de S. Paulo" em 14/11/17. Naufraga campanha pelo Centro de Performance de Marina Abramović http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2439&pg=0&ncid=1 O que poderia ter sido um importante instituto para as artes da performance, não será mais. Apesar de grandes doações via crowdfunding para construir o Instituto Marina Abramović, em Hudson (New York), a campanha ainda não foi o suficiente para construir a instalação planejada por Rem Koolhaas, do Escritório de Arquitetura Metropolitana. Mas o financiamento coletivo não devolverá o dinheiro para os patrocinadores, mas sim para pagar a firma de Koolhaas e realizar uma série de contrapartidas, que inclui abraços com a artista e jantar com sopas. Matéria de Brian Boucher, originalmente publicada no site do artnet News (www.artnet.com), em 07/11/17. Masp trata sexualidade como pornografia em mostra superficial http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2438&pg=0&ncid=1 A exposição no Masp (Museu de Arte de São Paulo), dividida em oito segmentos, explora a sexualidade, uma área tão vibrante e cheia de contradições na humanidade, de forma classificatória e frígida. Com isso, o conteúdo, apesar de vibrante na individualidade de cada uma das obras, no conjunto se torna superficial. Crítica de Fabio Cypriano originalmente publicada no jornal Folha de S. Paulo em 31/10/17. Mostra do Masp sobre sexualidade supõe que qualquer nu liga-se ao sexo http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2437&pg=0&ncid=1 Em meio a tantas manifestações contra a cultura e contra os museus, o que deveria ser uma exposição radical chique virou uma batata quente. Daí, o Masp recuou e proibiu para menores a exibição. Até o catálogo —livro de imagens com poucos textos curtos e simplistas— vinha com tarja proibindo a venda para os inocentes com menos de 18 anos! Coluna de Jorge Coli originalmente publicada no jornal Folha de S. Paulo em 12/11/17. Masp para todos: Editorial da Folha de S. Paulo http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2436&pg=0&ncid=1 O jornal "Folha de S. paulo" publicou em sua coluna de editoriais texto sobre nota técnica do Ministério Público Federal e a subsequente decisão do Masp de rever a proibição da mostra "Histórias da Sexualidade" para menores de 18 anos. Revista Art Review divulga lista anual Power 100 nas artes em 2017 http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2435&pg=0&ncid=1 Pela primeira vez em 16 anos, a compilação anual dos 100 nomes mais influentes das artes plásticas em 2017 tem uma mulher no topo da lista: a artista, ativista e pensadora alemã Hito Steyerl, que ocupava a 7ª colocação no ano passado. O curador suíço Hans Ulrich Obrist caiu de 1º lugar em 2016 para 6º colocado este ano. O Brasil ocupa três posições na lista: a galerista paulistana Luisa Strina, que marca presença desde 2012 (subiu de 57ª para 49ª posição); o trio de galeristas da Mendes Wood DM (Felipe Dmab, Pedro Mendes e Matthew Wood), que seguraram a 91ª posição; e a galerista Vanessa Carlos, radicada em Londeres, onde dirige a galeria Carlos/Ishikawa. Texto de Celso Fioravante, editor do Mapa das Artes São Paulo, com informações dos portais https://artreview.com/power_100/ e http://www.touchofclass.com.br. Masp retira proibição a menores http://mapadasartes.com.br/noticias.php?id=2434&pg=0&ncid=1 Depois de nota técnica do Ministério Público, museu decide admitir menores de 18 anos acompanhados de pais ou responsáveis em exposição sobre sexualidade. Matéria de Luana Fortes publicada no site da Revista Select, em 07/11/17. Repatriamento pendente: as viagens ilícitas de uma cabeça de touro em mármore http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=188&ncid=1000&pg=0 Na quarta-feira (11/10), através do advogado William G. Pearlstein, os colecionadores William e Lynda Beierwaltes divulgaram uma declaração formal sobre o “Marble Head of a Bull” (cerca de 500-460 a.C.) apreendido pelo escritório do procurador do distrito de Nova York em 06 de julho de 2017, sob empréstimo do Metropolitan Museum of Art. Há suspeitas de que a antiguidade havia sido saqueada do Líbano durante a guerra civil. A escultura da cabeça do touro foi adquirida pelo casal em 27 de novembro de 1996 por US$ 1,2 milhão, por um dos negociantes mais notórios (atualmente) do mundo das antiguidades, Robin Symes. O comunicado diz que: “Depois de terem sido apresentadas provas incontestáveis de que a cabeça do touro foi roubada do Líbano, os Beierwaltes acreditavam que era do interesse de todos retirar a reivindicação à cabeça do touro e permitir sua repatriação para o Líbano". Essa decisão foi tomada depois que o pedido “Application for Turnover” do Estado de Nova York, em 68 páginas, deu detalhes minuciosos sobre como essa antiguidade saqueada se dirigia de maneira ilícita para os Estados Unidos. Em uma carta ao Honorável Daniel P. FitzGerald com o Supremo Tribunal do Condado de Nova York, o Procurador Distrital Adjunto, Matthew Bogdanos, escreve que os Beierwaltes assinaram uma estipulação que concorda com a liberação da Corte do “Bull's Head” à República Libanesa de acordo com a Lei Penal de Nova York §450.10 sobre a eliminação de bens roubados e a Lei de Processo Penal §690.55 de NY sobre mandados de busca e a disposição dos bens apreendidos. Esta confissão voluntária prepara o caminho para uma cerimônia formal de repatriamento e o eventual retorno deste objeto antigo para o país de origem do qual foi roubado. Já por um artigo no New York Times, o advogado distrital adjunto Matthew Bogdanos, e pesquisadores que apoiaram seu caso, viram outra antiguidade potencialmente saqueada também do Líbano. Este objeto, um torso de mármore de um pastor de bezerro, foi identificado em uma fotografia tirada dentro da casa de Beierwalteses para a edição especial de junho de 1998 da revista House & Garden. Pelo artigo de Colin Moynihan para "The New York Times", o advogado Bogdanos afirmou que este objeto também pode ter sido saqueado do Líbano antes de ser adquirido por William e Lynda Beierwaltes. O artigo continua a especificar que os Beierwalteses venderam esse objeto ao colecionador de Nova York, Michael H. Steinhardt, em 2015. | Matéria publicada originalmente no blog www.art-crime.blogspot.com.br, em 12/10/17. Renoir é roubado de casa de leilões no interior da França http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=187&ncid=1000&pg=0 Uma pequena pintura do impressionista francês Auguste Renoir foi roubada de um leiloeiro no subúrbio parisiense de Saint-Germain-en-Laye no sábado (30/09). Com uma estimativa de € 25mil a 30 mil, “Portrait d'une jeune fille blonde” (Retrato de uma jovem garota loira), onde estava em exibição antes da venda neste fim de semana. De acordo com a polícia, o ladrão simplesmente tirou o trabalho da parede e escapou despercebido. Destaque do leilão, a tela está listada no catálogo dos leiloeiros enquanto mede 14cm x 12,2cm, com as iniciais "A.R." no canto superior esquerdo. A polícia espera que as filmagens de vigilância de vídeo forneçam uma direção. | Matéria publcada originalmente no site do ARt Daily ( www.artdaily.com), em 02/10/17. Obras roubadas de Georg Baselitz no valor de US$ 3 milhões são recuperadas http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=185&ncid=1000&pg=0 As esculturas turbulentas e as estridentes pinturas invertidas do neo-expressionista Georg Baselitz são conhecidas em todo o mundo. Mas quando mais de US$ 3 milhões de obras de sua coleção pessoal, incluindo alguns que ele criou, desapareceram de um depósito de armazenamento alemão, causou estranhamento por demorarem meses para alguém notar. Os promotores do caso prenderam três suspeitos, todos trabalharam na indústria de navegação. Eles acreditam que um homem de 39 anos da cidade ocidental de Düsseldorf usou conhecimento de informante para roubar 19 peças de arte pertencentes ao Sr. Baselitz do depósito perto de Munique entre junho de 2015 e março de 2016. Ele passou as obras para um pai e filho, que tentaram vendê-los pelo valor de mercado “muito abaixo”. Os três homens ainda não forneceram declarações completas à polícia, disseram os promotores. As autoridades acreditam que o pai e o filho, de 51 e 26 anos, da cidade de Leverkusen, ao sul de Düsseldorf, conseguiram vender apenas uma peça de arte antes que uma companhia de seguros se tornasse suspeita e informou a polícia. Depois do que os promotores chamaram de “investigações intensivas na cena artística”, a polícia prendeu o homem de 51 anos sob suspeita de roubo em agosto quando retornou do exterior. Mas Anne Leiding, uma porta-voz dos promotores de Munique, recusou-se a dizer quando o crime foi descoberto pela primeira vez. A polícia já recuperou 15 dos 19 artefatos – no valor de cerca de US$ 3 milhões, ou 2,5 milhões de euros. Os quatro trabalhos roubados foram pensados para valer cerca de US$ 155.000. A Sra. Leiding disse que, de acordo com os desejos do Sr. Baselitz, não podia fornecer detalhes adicionais sobre as obras de arte roubadas. | Matéria originalmente no site da revista Das Artes, em 06/09/17. Obra roubada de Willem de Kooning há 30 anos retorna para casa http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=182&ncid=1000&pg=0 É um bom dia para o Museu da Universidade de Arte do Arizona. A instituição celebra o retorno da pintura “Woman-Ochre” (1954–1955) de Willem de Kooning, que foi roubada um dia após o Dia de Ação de Graças de 1985, quase 32 anos atrás. Em 11/08/17, a universidade anunciou que a pintura tinha sido achada e devolvida pelo Antiquário Manzanita Ridge em Silver City, no estado de Novo México. Testes preliminares feitos pela restauradora do museu, Nancy Odegaard, descobriram a obra como autêntica. “Sempre estive otimista que um dia nós encontrássemos a pintura, isto é muito difícil descrever a emoção dela voltar pra casa”, disse Brian Seastone, o chefe do Departamento de Polícia da Universidade do Arizona e o investigador principal do caso. “Existe essa sensação de alívio e felicidade. Existe a sensação de calma. Ela voltou, está em casa, está onde ela deveria estar. Nós sabemos que a arte vale muito dinheiro, mas a história por trás disso não tem preço”. A pintura é um das seis obras da icônica série “Woman”. A outra obra, “Woman I (1950–1952), pertence ao Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA). O empresário bilionário Steven A. Cohen é dono da última obra em mãos privadas; ele possui a “Woman II (1952)” pelo valor de US$ 137.5 milhões do magnata da música David Geffen em novembro 2006. Em 2015, em um artigo do 30º ano de aniversário do roubo o jornal “UANews” especulou que a obra roubada poderia valer cerca de US$ 160 milhões. Anteriormente naquele ano, Geffen vendou outro de seus de Kooning, “Interchange” (1995), por US$ 300 milhões em um leilão privado, quebrando recorde da obra de arte mais cara do mundo. Os valores do artista em leilão são bem menores, de acordo com a Database de Preço do artnet, chegando ao máximo aos US$ 66.3 milhões em 2016. O roubo da pintura Woman-Ochre ocorreu na manhã de 29/11/1985, após um homem e uma mulher seguir um funcionário do museu. A mulher distraiu o guarda enquanto seu cúmplice, com óculos de bigode, ele tirou a tela da moldura e fugiu com a obra. O roubo durou 15 minutos. “Os ladrões de fato cometeram dois crimes aquele dia”, disse Kimberly Andrews Espy, o vice-presidente da Universsidade do Arizona, em depoimento do caso. “Primeiro eles roubaram uma importante pintura da coleção do museu da universidade. Eles roubaram também 30 anos de acesso ao público e dos estudantes do mundo inteiro, tirando a oportunidade deles de apreciá-la, de aprender com ela, e de serem inspirados por um importante artista”. Na época, a pintura valia US$ 600 mil. Sua localização durante essas três décadas após o roubo era desconhecida. Essa história volta à tona somente depois da aquisição de um imóvel sem nome pelos donos do Antiquário Manzanita, David Van Auker, Buck Burns, and Rick Johnson. “Nós não pagamos nem próximo de US$ 160 milhões por isso”, fala Buck Burns para o artnet, chamando a descoberta da pintura dentro da mansão como “feliz coincidência”. Van Auker colocou a pintura na vitrine de sua loja, onde muitos clientes comentaram que a obra parecia ser do de Kooning. Depois de pesquisar o artista, ele percebeu que sua última aquisição para o acervo da loja era na verdade uma obra perdida da Universidade de Arte. “No minuto que descobrimos, ligamos para o museu”, disse Buck. “Nós estamos felizes, felizes, felizes que a pintura está de volta em casa”. Decorrente a descoberta da pintura, Odegaard comparou a canvas com as pontas deixadas na moldura após roubo. As marcas de corte alinharam perfeitamente, provando de fato que era a mesma obra. Em depoimento, o presidente da Universidade do Arizona, Robert C. Robbins, agradeceu e tratou a equipe de Mazanita como heróis, completando que era um ótimo dia para a Universidade do Arizona e ótimas notícias para o mundo da arte e pessoas que se importam com a arte pública”. | Matéria traduzida do site artnet (www.artnet.com), em 11/08/17. Polícia espanhola recupera três obras de Francis Bacon roubadas em Madri http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=180&ncid=1000&pg=0 A polícia espanhola informou nesta quarta-feira (19) ter recuperado três das cinco obras do artista Francis Bacon roubadas em uma casa de Madri em 2015. As cinco pinturas, avaliadas em conjunto em 25 milhões de euros, foram roubadas em julho de 2015 de uma casa da capital espanhola junto com outros objetos de valor quando o proprietário estava ausente. Três pessoas foram presas em janeiro em conexão com o caso, depois que a polícia realizou buscas em casas na região de Madri e apreendeu armas, manuais para decifrar cofres e equipamentos usados para cortar metal. A polícia não forneceu mais detalhes sobre as obras recuperadas. | Matéria publicada originalmente no jornal "Folha de São paulo", em 19/07/17. Pintura de Guercino roubada e encontrada em Marrocos volta à Itália http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=178&ncid=1000&pg=0 Uma obra-prima de €6 milhões roubada da Itália em 2014 e descoberta em Marrocos foi devolvida às autoridades italianas. A pintura do século XVII de Giovanni Francesco Barbieri, conhecido pelo mundo da arte como Guercino, foi roubada da Igreja de São Vicente de Modena, no norte da Itália, em agosto de 2014. O trabalho, chamado “The Virgin, Saint John the Evangelist and Gregory the Miracle Worker” e avaliado em até € 6 milhões (USD $ 6,9 milhões), foi encontrado em um mercado no distrito El Hassini de Casablanca, em Marrocos, em fevereiro deste ano. As autoridades marroquinas que trabalham com a Interpol localizaram o trabalho de Guercino e prenderam pelo menos três pessoas que acreditavam estar trabalhando com uma rede criminosa organizada que trata do tráfico de antiguidades, disse a Direção-Geral de Segurança Nacional (DGSN) do país no momento das prisões de 15 de fevereiro. A mídia marroquina diz que as autoridades foram alertadas por um entusiasta de arte que reconheceu a pintura e contatou a polícia. Uma quarta pessoa, de nacionalidade marroquina, foi presa na Itália. Fontes em Bolonha disseram que Tahir Mustapha morava perto da igreja com sua família italiana e enviou a obra-prima em um tapete enrolado. A pintura foi danificada durante o roubo e precisa de uma grande restauração. A pintura de Guercino, em italiano traduzida como "The Squinter", porque ele aparentemente sofria de estrabismo, foi feita em 1639; ele também completou uma série de trabalhos feitos a clientes estrangeiros ricos antes de sua morte em 1666. A pintura retrata a história tradicional de São Gregório, um bispo do terceiro século que viveu onde hoje é a Turquia, e que viu os outros dois personagens em uma visão. A obra foi devolvida ao embaixador italiano em Marrocos, Roberto Natali, pela polícia em Casablanca e espera-se que volte para Modena. | Matéria publicada originalmente no portal Africa Times (www.africatimes.com), em 16/07/17. Lava Jato confirma autenticidade de obra aprendida com ex-diretor da Petrobrás http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=177&ncid=1000&pg=0 O artista Fernando Lucchesi não teve dúvidas ao ver a pintura que retrata um enorme vaso de flores, apreendida pela Lava Jato: "Esse quadro é meu", afirmou. Ao que o chefe da perícia da Polícia Federal em Curitiba, Fábio Salvador, respondeu: "Não acredito". A investigação queria demonstrar, com dados objetivos, que o quadro apreendido na casa do ex-diretor da Petrobras Renato Duque era, de fato, do pintor mineiro. Duque é suspeito de usar obras de arte para lavar dinheiro de propina obtida na estatal: a PF apreendeu 132 peças em sua casa. Demorou quase um ano, mas a equipe de peritos concluiu um laudo que promete ser um marco para a investigação de lavagem de dinheiro no Brasil: ele atesta a autenticidade do quadro "Para Guignard" – que, afinal, era mesmo de Lucchesi. Com o uso de cinco técnicas diferentes, o trabalho estabelece um parâmetro para avaliar com segurança a autoria e o valor de uma obra de arte, e então estimar o montante e as condições da lavagem de dinheiro. Assim, confere precisão à imputação do crime. Por exemplo: o quadro era verdadeiro ou falso? O dono sabia disso? Ele pagou mais ou menos do que a tela valia? "Essa precisão nos dá mais segurança para pedir reparação de danos e decretar o perdimento desses bens", avalia o procurador da República Diogo Castor de Mattos, integrante da força-tarefa da Operação Lava Jato. "É um laudo que foge do achismo", resume Salvador, que coordenou o trabalho. A Folha teve acesso ao laudo, anexado ao inquérito policial contra Duque no mês passado. Os peritos da PF começaram a análise com a grafoscopia, que conferiu a assinatura do artista. Em seguida, com a ajuda de pesquisadores da UFPR (Universidade Federal do Paraná), fizeram um exame chamado microscopia Raman, que checou os espectros das tintas utilizadas na tela (uma espécie de "digital" da física), somado à microscopia eletrônica, que realiza uma análise química dos materiais. A perícia ainda tirou uma fotografia rasante, que avaliou o processo criativo do pintor, conferindo o tipo de pinceladas; e outra com luz ultravioleta, que eliminou a presença de adulterações na tela. A PF levou o pintor ao Museu Oscar Niemeyer, que tem a guarda da obra, para atestar sua autenticidade. Lucchesi emprestou até um pincel aos peritos, que o compararam com as tintas utilizadas no quadro. "Eu preciso de provas, de dados objetivos", comenta Salvador. "Desconfio de todo mundo. O trabalho da ciência é convencer os outros", declarou. Três universidades foram parceiras do trabalho e cederam equipamentos e expertise à perícia: a USP, a UFPR e a UFMG. REPERCUSSÃO O laudo não foi concluído a tempo de alterar as imputações contra Duque, que já é réu sob acusação de lavagem de dinheiro. Mas deve estabelecer um protocolo para laudos futuros –há cerca de 30 em andamento na Operação Lava Jato e centenas de obras apreendidas. "É uma das formas mais tradicionais de se lavar dinheiro, porque a obra de arte não desvaloriza. Pelo contrário, o valor multiplica", comenta a museóloga Patricia Moura, que atuou como laudista na apreensão dos quadros de Duque. "É uma bela poupança que pode ser guardada em qualquer lugar, e invisível aos olhos da maioria." Outras técnicas também estão sendo testadas: num quadro do artista Sergio Telles, por exemplo, que viveu no Líbano, a PF pretende analisar os fungos no fundo da tela, para avaliar se eles são típicos daquela região. A equipe ainda prepara as malas para avaliar o acervo de Márcio Lobão, filho do senador Edison Lobão (PMDB-MA), que teve 1.200 obras apreendidas no Rio de Janeiro. A metodologia pode ter consequências no mercado de arte brasileiro, ao detectar falsificações em galerias, leilões e museus. "Isso denigre o mercado, os espaços de exposição", diz Moura. "É de interesse de todos. Serve para dizer: você não está comprando gato por lebre. E quem ganha, no fim, é o público." O objetivo dos peritos é lançar um "laboratório de obras de arte" na PF, para que os laudos saiam "igual pão quentinho", diz Salvador. O plano, porém, carece de investimento: apenas um dos equipamentos custa R$ 1,5 milhão. Preso há dois anos, Duque, que tenta firmar um acordo de delação, admitiu em depoimento recente que parte dos quadros foi comprada com dinheiro ilícito, mas diz que colecionava por gosto. "Obra de arte não é para ficar fazendo negócio; não é para quem não entende do assunto", afirmou. | Matéria de Estelita Hass Carazzai, de Curitiba, para o jornal “Folha de São Paulo”, em 20/06/17. Polícia prende em SP homens suspeitos de furto de livros raros em bibliotecas http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=170&ncid=1000&pg=0 A Polícia Civil de São Paulo prendeu dois homens por suspeita de furto e receptação de livros raros em 31/10/16. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, eles portavam obras das bibliotecas da Faculdade de Direito e da FAU (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo). Os suspeitos, de acordo com a pasta, identificavam-se como professor e aluno da instituição para terem acesso às obras raras das bibliotecas. Imagens de câmeras de segurança mostram os dois agindo na biblioteca da FAU. Ambos já haviam sido presos por esse mesmo crime, segundo a pasta da Segurança. Um deles é biblioteconomista por formação. Outro, já era procurado pela Justiça. Com os suspeitos, além das obras da Universidade de São Paulo, os policiais também apreenderam cinco livros franceses escritos em 1734 e livros da Universidade Federal do Rio de Janeiro. O material apresentava páginas rasgadas. | Texto originalmente publicado no jornal “Folha de S. Paulo” | 31/10/16. Nova etapa da Boca Livre investiga fraudes de R$ 25 milhões da Lei Rouanet http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=169&ncid=1000&pg=0 O Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria Geral da União (CGU) participa da Operação Boca Livre S/A, nesta quinta-feira (27/10/16), com o objetivo de apurar desvios de recursos públicos por empresas patrocinadoras de projetos culturais beneficiadas pela Lei Rouanet (Lei 8.313/1991). A ação é realizada em parceria com a Polícia Federal e o Ministério Público Federal na capital São Paulo e em mais seis municípios paulistas. A operação investiga desvios de R$ 25 milhões na Lei Rouanet. A Lei Rouanet foi criada no governo Fernando Collor (PTC/AL), em 1991. A legislação permite a captação de recursos para projetos culturais por meio de incentivos fiscais para empresas e pessoas físicas. Na prática, a Lei Rouanet permite que uma empresa privada direcione parte do dinheiro que iria gastar com impostos para financiar propostas aprovadas pelo Ministério da Cultura para receber recursos. Segundo nota divulgada pelo Ministério, o trabalho é desdobramento da Operação Boca Livre, deflagrada em junho deste ano, e resultado do aprofundamento da investigação, que apurou o envolvimento de novas empresas no esquema, que atuavam como “incentivadoras”. Foi identificada a ocorrência de fraudes como superfaturamento, serviços fictícios, projetos duplicados, utilização de terceiros para proposição de projetos e prestação de contrapartida ilícita às instituições. As empresas investigadas financiavam os supostos projetos culturais, que eram subsidiados com os incentivos fiscais e condicionavam o patrocínio à obtenção de vantagens indevidas, como shows, exposições, espetáculos teatrais e publicação de livros. Os projetos com indicativos de reprovação de contas alcançam o montante de R$ 28,7 milhões, podendo chegar a mais de R$ 58 milhões, considerando as prestações de contas ainda em análise. Mais de 100 pessoas, entre policiais e auditores da CGU participam da operação. Estão sendo cumprindo 28 mandados de busca e apreensão na sede de empresas nos municípios de São Paulo, São Bernardo do Campo, Santo André, Campinas, Jundiaí, Barueri Cerquilho e Várzea Paulista. Em 28 de junho de 2016, o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU) e a Polícia Federal deflagraram a Operação Boca Livre, para apurar desvios de recursos públicos relacionados a projetos culturais aprovados pelo Ministério da Cultura (MinC) com benefícios advindos da Lei Rouanet. De acordo com as investigações, grupo criminoso atuou por cerca de 20 anos no órgão na aprovação de projetos que somam R$ 170 milhões. | Texto de Fausto Macedo e Julia Affonso originalmente publicado no site do "Estadão" (estadao.com.br) | 27/10/16. Se achadas, obras sumidas poderiam formar maior museu de arte do Brasil http://mapadasartes.com.br/pegaladrao.php?id=158&ncid=1000&pg=0 Sejam bem-vindos ao maior museu do Brasil! Uma coleção que reúne obras de mestres das artes plásticas, Dalí, Picasso, Monet, Aleijadinho, não só do Brasil, mas de todo o mundo. Infelizmente ninguém pode ver essa coleção, porque todas essas obras estão desaparecidas. No dia 26 de fevereiro, o maior roubo de obras de arte do Brasil completou 10 anos. O assalto ao Museu Chácara do Céu, no Rio, aconteceu durante o carnaval de 2006. Na ocasião, bandidos aproveitaram um bloco de carnaval que desfilava ali, entraram no museu armados e levaram quadros de Dalí (Os Dois Balcões), Matisse (Jardim de Luxemburgo - foto), Monet (Marinha) e Picasso (A Dança), avaliados, na época, em US$ 50 milhões. De acordo com especialistas em segurança, a fragilidade do patrimônio artístico e histórico nacional é enorme. Prova disso são os roubos de arte sacra, um problema muito mais grave que os roubos a museus. A lista oficial do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Iphan, registra 1.644 peças sacras sumidas no Brasil. O destino dessas obras quase sempre é desconhecido; muitas vão parar em antiquários. O Fantástico descobriu o paradeiro de obras retiradas de igrejas, todas hoje em mãos de colecionadores. Em trabalho independente, a equipe que cuida do patrimônio histórico no Ministério Público de Minas Gerais já recuperou quase 700 obras. As peças foram redistribuídas a museus de Minas Gerais. A maioria estava no Rio ou em São Paulo. | Fonte: site G1 – Fantástico, em 13/03/2016. 29º Salão Internacional de Humor 2017 | Volta Redonda (MG) http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=590&pg=0&ncid=1 O edital recebe inscrições até 08/11/17 nas modalidades de cartum, charge, caricatura e HQs, sob o tema “Operação Lava a Jato”. Ocupação de Bibliotecas Públicas Estadual de Minas Gerais | 2017- BH http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=589&pg=0&ncid=1 Inscrições abertas até 22/11/17. Edital Exposições Pinacoteca da UFV - Viçosa (MG) | 2018-2019 http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=588&pg=0&ncid=1 Inscrições até 22/10/17 Residência Artística Fábrica.Lab Museu Vale | Vitória - ES http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=587&pg=0&ncid=1 Inscrições prorrogadas até 20/09/17. 9° Salão dos Artistas Sem Galeria 2017/2018 http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=586&pg=0&ncid=1 As exposições das obras dos artistas selecionados em duas galerias de São Paulo (entre 15/01/18 e 24/02/18), simultaneamente, e em Belo Horizonte (de 10/3 a 20/4/18). Inscrições entre 11 de setembro a 06 de novembro de 2017. 26º Salão de Arte do CCBEU – MABEU Primeiros Passos | Belém | 2017 http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=585&pg=0&ncid=1 Inscrições abertas até 30/09/17. 1º Edital de Ocupação da Casa Porto das Artes Plásticas – Vitória (ES) http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=584&pg=0&ncid=1 Inscrições abertas até 25/08/17 para proponentes residentes no município de Vitória. 4ª Edição Novas Poéticas (BA e RJ) 2017 http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=583&pg=0&ncid=1 Inscrições abertas até 29/07/17. Seleção Exposições Solo Sagrado de Guarapiranga - 2017| 2018 http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=582&pg=0&ncid=1 Confira os selecionados. A Nova Arte Política – Fundação Lauro Campos (FLC) | 2017 http://mapadasartes.com.br/saloes.php?id=581&pg=1&ncid=1 Inscrições abertas até 04/06/17